Versos, prazeres e segredos do poeta Vinicius

Está na rede o acervo pessoal de Vinicius de Moraes. É proeza da Fundação Casa de Rui Barbosa, do Rio,  e um bálsamo nesses tempos estranhos de pandemia.

Os milhares de arquivos convidam interessados em poesia, literatura, teatro, cinema e música a uma viagem no tempo, nos prazeres e nos segredos de um poeta, e servidor público (diplomata), que atravessou 66 anos de bem com a vida, as mulheres, o álcool e os versos.

Há fragmentos curiosos da sua obra, manuscritos de canções e da rotina no Rio, em Buenos Aires, em Oxford (Inglaterra) e em Los Angeles, além de correspondências com Charlie Chaplin, Orson Welles, e parceiros — principalmente, Tom Jobim.

<span class="hidden">–</span>Acervo Digital Vinicius de Moraes/Reprodução

Certo dia, Tom escreveu ao poeta: “Quero falar de negócios antes que bata a preguiça.” E propôs a retomada de um antigo projeto, um disco só de samba, na voz de Elizeth (escreve “Elizete”) Cardoso.

Lista uma dezena “fora da minha parceria com você”. A primeira é “Quando tu passas por mim“. Ao lado,  abre parêntesis e conta: “Dei parceria ao (Antônio) Maria, mas só pró-forma. O samba é todo meu!” — veja reprodução acima.

Entre raridades há, também, originais de poemas rascunhados, alguns pouco conhecidos, como  Epitáfio, escrito em 1939, ao som dos tambores da IIª Guerra Mundial, quando estudava em Oxford,:

Aqui jaz o Sol,
Que criou a aurora
E deu luz ao dia
E apascentou a tarde.

O mágico pastor
De mãos luminosas
Que fecundou as rosas
E as despetalou.

Aqui jaz o Sol
O andrógino meigo
E violento, que

Possuiu a forma
De todas as mulheres
E morreu no mar.

Fontes Retirada do Site Veja Abril link da Matéria aqui….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *