Receita governista: cloroquina com “água da Bahia”

O senador gaúcho Luis Carlos Heinze, do PP do Rio Grande do Sul, é caso exemplar da crescente dificuldade da bancada governista em defender o governo na CPI da Pandemia.

Cruzado da cloroquina, ontem ele partiu em ofensiva contra a microbiologista Natalia Pasternak. Exibiu um cartaz onde se lia: “15.670.744 vidas salvas”, e atacou, veemente:

— Essas vidas têm cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina, Annita e ivermectina. [Os pacientes] começaram com elas, e vitaminas. Hoje, tem 16, 17 drogas reposicionadas [no “tratamento precoce” da Covid-19, sem comprovação científica]… Foram responsáveis por essas 16 milhões de vidas, 15 milhões de vidas aqui salvas.

A cientista devolveu: — Essas 15 milhões de pessoas também tomaram o chazinho da avó, deram três pulinhos e uma volta no quarteirão, Senador.

Heinze perdeu o rumo: – É isso aí! Um colega meu, que esteve semana passada aqui, quando eu citei o caso da Dra. Raissa, em Porto Seguro, que liderou um movimento… Sabe qual é a [taxa de] letalidade de Porto Seguro: 0,8; da Bahia, 2,04 [por grupo de 100 mil pessoas]. Aí, dizem que a água da Bahia é … Só tomando água, resolvia o problema. Ela adotou, peitou o tratamento. Os empresários ajudaram, pra que pudesse fazer um tratamento em Porto Seguro. Posso citar centenas de casos que deram resultado positivo…

Diante da nova versão de “chiclete com banana”, o  senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP),  líder da oposição que presidia audiência, achou melhor interromper e dar voz a outro governista.

Fontes Retirada do Site Veja Abril link da Matéria aqui….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *