Pacheco critica política energética ‘sem ideias’ do governo federal

O Radar mostra na edição de VEJA desta semana que o governo Jair Bolsonaro elabora um plano de emergência contra a grave crise hídrica e estima que, em julho, o país pode começar a ter racionamento de água e mais um aumento da fatura de energia. Pois o custo político já começa a aparecer.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, foi às redes sociais há pouco criticar o Operador Nacional do Sistema Elétrico, vinculado ao Ministério de Minas e Energia, pelo que chamou de “política energética sem ideias” e sem planejamento.

O senador, que é de Minas Gerais, escreveu que o ONS “apoderou-se das águas brasileiras para o seu propósito único de geração de energia”, e reclamou publicamente da previsão de secar os reservatórios no sistema de Furnas, no seu Estado, o que seria uma quebra de acordo com a bancada mineira no Congresso.

“Essa política energética sem ideias, que não planeja e não pensa em médio e longo prazo, reduz os níveis de água e sacrifica o abastecimento, o turismo, a navegação, a agropecuária, a piscicultura e o meio ambiente. Sacrifica, sobretudo, milhares de pessoas! A previsão de secar os reservatórios do sistema de Furnas, em Minas Gerais, é inaceitável, ainda mais depois dos acordos feitos com a bancada federal do Estado”, afirmou Pacheco, no Twitter.

Continua após a publicidade

Fontes Retirada do Site Veja Abril link da Matéria aqui….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *