Base de Bolsonaro manobra para adiar discussão sobre voto impresso

O presidente da comissão especial da Câmara que analisa o voto impresso, deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), encerrou a reunião nesta sexta-feira, 16, a pedido do relator da proposta Filipe Barros (PSL-PR). Antes da votação que poderia derrubar a proposta, Barros afirmou que pretendia fazer alterações em seu texto.

Martins, que também é da base de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, concordou e encerrou a tumultuada reunião com base em um artigo do Regimento Interno da Casa. A oposição, que contava com maioria para enterrar a proposta, protestou alegando que o prazo para alterações do relatório havia se esgotado.

Com a manobra, os deputados evitaram a derrota iminente da proposta que pretende instituir o voto impresso já nas eleições de 2022. O relator tem tido dificuldades em aprovar seu texto desde que a comissão teve sua composição modificada. Agora, o debate só será retomado após o recesso parlamentar, em agosto.

A aprovação da proposta perdeu força depois que líderes de onze partidos, inclusive da base de Bolsonaro, como Republicanos, PL, PP e PSL (ex-partido do presidente que abriga boa parte de sua base ideológica) passaram a se posicionar contra o tema e a trocar os seus representantes no colegiado.

Os líderes também se reuniram com Alexandre de Moraes, ministro do STF e futuro presidente do TSE nas eleições de 2022. O tema é um dos mais caros do presidente Jair Bolsonaro, que acusa, sem qualquer prova, o sistema eletrônico de ser fraudulento — e foi o pivô da pior crise entre o governo e o Supremo.

Em uma escalada de ataques, Bolsonaro ameaçou no dia 9 de julho a realização das eleições de 2022 se o voto impresso não for aprovado e chamou o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, de “imbecil” e “idiota” por se posicionar em defesa da urna eletrônica.

Mesmo uma nota do Tribunal Superior Eleitoral sugerindo que Bolsonaro poderia responder por crime de responsabilidade não foi capaz de parar o presidente, que, no sábado, 10, voltou a atacar Barroso.

Reportagem de VEJA desta semana mostra os bastidores do levante de ministros do Supremo para que o presidente do tribunal, Luiz Fux, tomasse providências acerca do comportamento do chefe do Executivo, que ensaiou um recuo.

Fontes Retirada do Site Veja Abril link da Matéria aqui….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *