Anvisa autoriza mais mil voluntários para testes da vacina da Pfizer

Anvisa autoriza mais mil voluntários para testes da vacina da Pfizer


Como parte da fase 3 de ensaios clínicos, nesta sexta-feira (18), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou que a vacina contra o coronavírus da farmacêutica Pfizer, em parceria com a empresa de biotecnologia BioNTech, seja testada em mais mil usuários além dos mil que já estavam participando dos ensaios.A faixa etária dos voluntários aumentou: agora, a idade mínima para fazer parte dos testes caiu de 18 para 16 anos. Os centros de testagem, por sua vez, continuam os mesmos, localizados em São Paulo e na Bahia.ReproduçãoA fase 3 de testes é a última antes da autorização para uso. Imagem: South_agency/iStockInicialmente, a Anvisa aprovou a pesquisa da vacina entre os brasileiros no dia 22 de julho. Em agosto, resultados preliminares demonstraram que o imunizante produz uma resposta “robusta” sem efeitos colaterais graves em adultos. Agora, o reforço na fase 3 de testes funcionará para verificar ainda mais a segurança e a eficácia da vacina, que é metade estadunidense e metade alemã.A Pfizer já vendeu 100 milhões de doses aos Estados Unidos, 200 milhões à União Europeia e 120 milhões ao Japão. No entanto, vale lembrar que a vacina em questão exige duas doses – com um intervalo de três semanas entre elas – e que, portanto, a quantidade comprada por cada país será capaz de imunizar uma população equivalente à metade das doses adquiridas.Vacinas na fase 3 de testesSão nove as vacinas que estão na última e promissora fase dos ensaios clínicos. É após essa etapa que o imunizante poderá ser liberado pelas autoridades sanitárias. Confira os nomes e laboratórios envolvidos:Janssen Pharmaceutical Companies (EUA);Moderna/Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (EUA);BioNTech/Fosun Pharma/Pfizer (Alemanha e EUA);Sinovac (China);Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan/Sinopharm (China);Instituto de Produtos Biológicos de Pequim/Sinopharm (China);CanSino Biological Inc./Instituto de Biotecnologia de Pequim (China);Instituto de Pesquisa Gamaleya (Rússia). Via: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *