A influência de Bolsonaro, Lula e Ciro na eleição para o governo da Bahia

Um levantamento feito pelo instituto Paraná Pesquisas com as nomes de prováveis cabos eleitorais da disputa para governo da Bahia em 2022 mostra que o ex-prefeito de Salvador ACM Neto (DEM), atrelando o seu nome ao de Ciro Gomes (PDT), fica empatado tecnicamente com o ex-governador e senador Jaques Wagner (PT), com o apoio de do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – o primeiro tem 38% das intenções de voto enquanto o petista tem 33,6%. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos.

A sondagem também mostra que o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos) chega a 15,2% das intenções de voto e pode ser competitivo se tiver o apoio de Jair Bolsonaro, apesar de o presidente não ser muito popular na Bahia (59,9% dos baianos desaprovam a sua gestão).

Em pesquisa estimulada, os nomes dos concorrentes foram apresentados ao entevistado atrelados a seus possíveis cabos eleitorais.

O único apoio garantido, por enquanto, é o de Lula a Wagner – o PT tenta garantir o seu quinto mandato consecutivo à frente do estado, após duas gestões do próprio Wagner e de Rui Costa.

Já ACM Neto pode trazer Ciro ao seu palanque no estado pela necessidade de ter um aliado na disputa nacional, já que a aliança com Bolsonaro é algo quase descartado – embora parte do DEM nacional seja governista (o partido tem os ministros Onyx Lorenzoni e Tereza Cristina), a aproximação com o bolsonarismo é um tema que inflama e divide o partido nacionalmente. Há ainda a possibilidade de a legenda lançar a candidatura do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

A pesquisa foi feita com 2.002 eleitores por meio de entrevistas pessoais telefônicas (sem o uso de robôs), com eleitores de 188 municípios da Bahia.

Continua após a publicidade

Fontes Retirada do Site Veja Abril link da Matéria aqui….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *